Por que o intestino é considerado o segundo cérebro?

Por que o intestino é considerado o segundo cérebro - IMS

A mudança de vida pode começar pela compreensão da atuação de nosso segundo cérebro: o intestino. Descubra mais sobre o tema.

A sensação de “frio na barriga” quando nos preparamos para fazer uma apresentação, úlceras estomacais induzidas por estresse, alimentação emocional: tudo isso fornece pistas de que o cérebro e o intestino estão conectados. Por isso, quando se pensa em mudança de vida, é importante considerar, também, a integração entre o primeiro e o segundo cérebro.

Continue a leitura para compreender mais sobre o tema!

O segundo cérebro: nosso sistema nervoso entérico

Composta por 100 milhões de neurônios, a rede de células nervosas que revestem o trato digestivo é tão extensa que passou a ser chamada de “segundo cérebro”, embora, tecnicamente, seja conhecida como sistema nervoso entérico.

Além do grande volume de neurônios, nosso segundo cérebro tem ainda mais semelhança com o cérebro em nossas cabeças. A massa de tecido neural em nosso intestino produz mais de 30 neurotransmissores diferentes, que são moléculas sinalizadoras tipicamente associadas ao cérebro.

Isso inclui a produção e o armazenamento de serotonina, o neurotransmissor conhecido como o “produto químico da felicidade”, devido ao seu papel na regulação do humor e do bem-estar.

Como o cérebro principal e o segundo cérebro se comunicam?

Um grosso cabo de neurônios corre entre a base do cérebro e nosso intestino, formando o nervo vago, o nervo craniano mais longo do nosso corpo. O nervo vago funciona como uma via de informação bidirecional, com o cérebro e o intestino enviando mensagens um para o outro em milissegundos.

O nervo vago não é a única maneira de o cérebro e o intestino se comunicarem. Nossos intestinos abrigam trilhões de bactérias e micróbios que formam a microbiota intestinal.

Muitos desses micróbios vivem na camada de muco que reveste os intestinos, colocando-os em contato direto com as células nervosas e imunológicas, que são os principais sistemas de coleta de informações de nosso corpo. Esta localização também prepara os micróbios para “ouvir” enquanto o cérebro sinaliza estresse, ansiedade ou até felicidade ao longo do nervo vago.

Mas vai além disso. Boa parte dos neurônios do nervo vago transporta informações do intestino para o cérebro, e não o contrário. Isso significa que os sinais gerados no intestino podem influenciar o cérebro.

Mudança de vida e o segundo cérebro

Embora agora seja evidente que o intestino é mais do que apenas uma “máquina de digerir alimentos”, ainda há muito a ser descoberto em termos de como o intestino pode influenciar a saúde geral.

No entanto, já se percebe que melhorar a saúde intestinal pode contribuir, em muitos casos, para avanços no tratamento de distúrbios cerebrais e em uma mudança de vida mais abrangente ao paciente.

Para saber mais sobre mudança de vida, continue acompanhando os conteúdos em nosso blog.

12 comments on “Por que o intestino é considerado o segundo cérebro?

  1. Bom dia, Sra. Ivone.

    Agradecemos o elogio!
    Continue nos acompanhando e siga- nos também em nossas redes sociais @institutosallet (instagram)

    Atenciosamente,

    Equipe de Comunicação

  2. Excelente matéria. Gostaria de saber se o intestino pode influenciar também no nosso equilíbrio, ou seja, se qualquer problema intestinal poderia provocar, por ex, desequilíbrio postural, vertigens, tonturas, etc
    Obrigada pela atenção.

  3. Boa tarde, Maria.

    Tudo bom?

    Estudos recentes vêm relatando consistentemente que a alteração da microbiota intestinal pode levar a um desequilíbrio do eixo cérebro-intestino-microbiota, traduzindo-se em doenças neurodegenerativas. A condição pode se originar mais cedo no sistema nervoso entérico — responsável por controlar a motilidade do trato gastrointestinal — antes de avançar para o cérebro.

    Entretanto, há muitas causas, condições e fatores que podem desencadear as doenças de equilíbrio. O médico é o responsável em fazer investigar as causas e obter o diagnóstico.

    Estamos disponíveis para maiores informações no telefone: (11) 3046-9393.

    Atenciosamente,
    Equipe de Comunicação.

  4. Boa tarde, José!

    Tudo bom?

    Existe uma comunicação bidirecional natural, que é regulada tanto em nível neural e hormonal quanto imunológico entre o intestino e o cérebro, conhecida como “eixo cérebro-intestino”. Cada vez mais a ciência vem mostrando como esse eixo está relacionado com a saúde, dependendo do tipo de bactérias colonizadas no intestino.
    Maus hábitos alimentares e o sedentarismo, prejudicam a qualidade da microbiota intestinal, e “alteram” a comunicação entre o intestino e o cérebro, por isso, dá-se a importância de não utilizar medicamentos sem necessidade e manter hábitos de vida saudáveis, praticando exercícios com regularidade e com uma alimentação rica em verduras, legumes e frutas.

    Estamos disponíveis para maiores informações no telefone: (11) 3046-9393.

    Atenciosamente,
    Equipe de Comunicação.

  5. Olá Dra eu vi alguns estudos sobre cuidado com a microbiota intestinal pode ajudar no tratamento para autismo.
    Acha que isso procede ?

  6. Boa tarde, Val.

    Tudo bom?

    De fato, a ciência já mostra a relação que existe entre o desequilíbrio da microbiota – a disbiose – e o autismo. Estudos mostram que as funções gastrointestinais mais afetadas pelo autismo são melhoradas pelo uso de probióticos.

    É necessário que busque uma equipe especializada para avaliar e iniciar o tratamento de acordo com a necessidade individualizada, sendo que existem cepas e quantidade específica para o tratamento.

    Estamos disponíveis para maiores informações no telefone: (11) 3046-9393.

    Atenciosamente,
    Equipe de Comunicação.

  7. Ótima abordagem.

    Tentei relatar meu caso, mas fica devolvendo com erro dizendo que eu havia escrito, mas não. Estou há um ano com fome excessiva e nada resolve. Será que é do intestino para o cérebro.?

  8. Boa tarde, Marli.

    Tudo bom?

    Há diversos fatores que podem desencadear fome excessiva, sendo importante a avaliação por um profissional nutricionista.

    O nutricionista irá analisar seu exame de sangue para verificar se possui alguma deficiência nutricional, a composição da sua dieta e se questões psicológicas como ansiedade, colaboram para aumento da sua fome. São muitos quesitos para serem avaliados, por isso, recomendamos que busque uma equipe especializada para que possa iniciar o tratamento individualizado.

    Estamos disponíveis para maiores informações e esclarecimentos no telefone: (11) 3046-9393.

    Atenciosamente,
    Equipe de Comunicação.

  9. Estou fazendo quimioterapia devido a retirada de um carcinoma mamário. Fiz a quarta quimio agora e desta vez o que me afetou foi o intestino, sangramento quando tempo ir ao banheiro e muitas cólicas. O que posso fazer para aliviar estes sintomas?

  10. Boa tarde, Rosimeire.

    Tudo bom?

    A senhora precisa procurar ajuda da sua equipe médica para te avaliar e verificar as possíveis causas dos sintomas. Após o diagnóstico, será feito uma prescrição individual, de acordo com suas necessidades.

    Estamos disponíveis para maiores informações e esclarecimentos no telefone: (11) 3046-9393 ou no endereço Rua Gomes de Carvalho, 1510 (ao lado do Shopping Vila Olímpia).

    Atenciosamente,
    Equipe de Comunicação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *