O que você precisa saber sobre a anestesia na cirurgia bariátrica

O que você precisa saber sobre a anestesia na cirurgia bariátrica

A anestesia na cirurgia bariátrica é uma etapa fundamental para que o procedimento seja bem-sucedido. Aliás, não apenas nessa situação, mas em muitas outras, a anestesia permite que os pacientes sejam submetidos a procedimentos mais complexos, sem que sintam dor.

Descoberta em 1846, a anestesia é considerada um marco na medicina. Apesar das vantagens e por permitir que muitos procedimentos sejam viabilizados, inclusive cirurgias, a anestesia ainda causa alguma insegurança nos pacientes.

Para ajudar a sanar as principais questões que cercam a anestesia na cirurgia bariátrica, preparamos o artigo a seguir, confira e tire suas dúvidas.

Anestesia na cirurgia bariátrica: O que é preciso saber?

A consulta pré-anestésica é realizada, geralmente, uma semana antes da cirurgia, depois que o paciente já possui todos os exames e avaliações em mãos. A consulta tem o intuito de apresentar o anestesista para o paciente, a fim de tirar suas dúvidas e de tranquilizá-lo quanto à segurança do procedimento. Esse encontro também ajuda o médico a conhecer o histórico do paciente, envolvendo questões como alergias, patologias associadas, relatos de outras anestesias e cirurgias, etc.

Quem definirá o tipo de anestesia ideal é o médico responsável, com base na criteriosa avaliação do paciente, visando a redução de riscos durante o procedimento.

Anestesia na cirurgia bariátrica: conheça os tipos e as fases

Geralmente, a cirurgia bariátrica é acompanhada de anestesia raquidiana ou peridural, associadas à anestesia geral, junto à administração de medicamentos diretamente na corrente sanguínea.

Basicamente, a anestesia é dividida em três fases:

1. Introdução anestésica

Já dentro do centro cirúrgico, o paciente é submetido aos primeiros cuidados, como ingestão dos medicamentos necessários e medição e controle de parâmetros vitais (incluindo pulsação, pressão arterial, respiração, concentração de oxigênio e gás carbônico no sangue).

Por fim, acontece a intubação, por meio de um tubo plástico inserido na traquéia, conectado ao aparelho de anestesia. Sua função é fazer com que o paciente respire e receba os gases anestésicos durante o procedimento cirúrgico.

2. Fase transoperatória

Nesta fase, o paciente já está anestesiado, recebendo um fluxo constante de gás anestésico e oxigênio ou ar. É importante ressaltar que é o médico quem define as quantidades que serão necessárias. Além disso, o anestesista continua controlando os sinais vitais, assim como a hidratação do paciente. Uma quantidade razoável de soro também é administrada nessa etapa, o que mantém a pressão controlada e os rins em perfeito funcionamento.

3. Recuperação depois da anestesia na cirurgia bariátrica

Esse é momento em que o paciente desperta da anestesia e inicia-se a fase da recuperação. Vale lembrar de que, em pacientes obesos, existe a possibilidade de o anestésico depositar-se no tecido gorduroso, o que pode retardar o seu despertar.

É muito importante que o anestesista tire todas as dúvidas do paciente, garantindo sua segurança e bem-estar. Em contrapartida, o paciente deve comparecer e colaborar para que os procedimentos sejam bem-sucedidos.

Agora que você já sabe mais sobre o funcionamento da anestesia na cirurgia bariátrica, tire outras dúvidas sobre o procedimento cirúrgico baixando gratuitamente o nosso Guia prático para quem precisa fazer uma cirurgia bariátrica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *