O que é e como funciona o balão gástrico?

Descubra mais sobre o que é e como funciona o balão intragástrico para tratamento de perda de peso e obesidade.

 

O sobrepeso e a obesidade causam riscos consideráveis à saúde e à vida da população. Por isso, são considerados problemas de saúde pública.

Entre as principais doenças associadas estão a hipertensão arterial, doenças no coração, diabetes e até câncer. Em muitos casos, não bastam apenas exercícios físicos para emagrecer. Muitos fatores podem contribuir para a dificuldade na perda de peso.

Se você já tentou emagrecer e não consegue, saiba que, entre os diversos tratamentos, o balão intragástrico é uma alternativa não-cirúrgica e sem a necessidade de anestesia.

Mas, afinal, o que é balão intragástrico? Tire essa e outras dúvidas a seguir!

Estatística da obesidade

O sobrepeso e a obesidade já são considerados por especialistas da saúde uma crise de saúde pública global. Os números comprovam: conforme a Organização Mundial da Saúde (OMS), 2,3 bilhões de pessoas no mundo são classificadas como obesas ou com sobrepeso.

No Brasil, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2019, a cada quatro cidadãos a partir de 18 anos, um se encaixava como obeso.

A partir de dados como esses, é possível perceber como esse é um problema importante, assim como é fundamental buscar soluções para se lidar com ele. É nesse contexto que se destaca o tratamento com balão intragástrico.

O que é o balão intragástrico?

Os balões intragástricos são uma inovação para lidar com casos de obesidade. Esse procedimento não-cirúrgico e temporário, no formato tradicional, consiste na introdução de um balão inflável de silicone dentro do estômago por via endoscópica. O balão é insuflado com aproximadamente 500-600 ml de um líquido, provocando a diminuição da capacidade de ingestão de alimentos e o aumento da saciedade.
Trata-se de um procedimento simples e seguro, que é realizado dentro de poucas horas e em ambiente hospitalar, com alta hospitalar no mesmo dia.

É um tratamento que pode variar entre 4 a 12 meses, de acordo com a necessidade do paciente e o tipo de balão adotado. Logo, ao final do período determinado, o balão é retirado por via endoscópica.

Por outro lado, já existem técnicas mais avançadas e que não necessitam de endoscopia. Esse é o caso do Balão em Cápsula Deglutível. Nessa técnica, o paciente ingere uma cápsula presa a um tubo-fio, o qual está conectado a um aparelho externo. Antes de encher a cápsula pelo tubo-fio, ou cateter, e a mesma transformar-se no balão, o médico realiza um raio-x para confirmar se o dispositivo está na posição correta. Este procedimento dura apenas alguns minutos.

Os efeitos desse método são os mesmos do procedimento tradicional, ou seja, causam a diminuição da capacidade de ingestão, o aumento da saciedade e , por fim, auxiliam no emagrecimento.

O período desse tratamento também pode variar de 4 a 12 meses e, em torno de 16 semanas após o procedimento, a cápsula esvazia-se e é expelida pelo organismo naturalmente, diferentemente do método tradicional, onde a retirada é por via endoscópica.

Por que o balão intragástrico emagrece?

Pelo fato de ocupar espaço no estômago, há um retardo no esvaziamento gástrico, gerando a sensação de saciedade no paciente. Um estudo mostrou que 72% dos pacientes participantes mantiveram a perda de peso por mais de 12 meses após o procedimento.
Isso porque, com acompanhamento médico transdisciplinar durante o tratamento, o paciente acaba por manter a reeducação alimentar de forma natural em sua rotina, o que torna os resultados satisfatórios no médio e longo prazo.

Quem pode colocar o balão intragástrico?

O tratamento com balão intragástrico deve ser indicado após criteriosa avaliação médica e de equipe transdisciplinar. Como recomendação geral, o procedimento pode ser feito por todos que não possuem alguma contraindicação para esse tratamento (como por exemplo, cirurgias gástricas prévias), seguindo-se os critérios:

pacientes superobesos (aqueles com IMC acima de 50kg/m²) com risco cirúrgico elevado como procedimento anterior à cirurgia bariátrica;
pacientes sem indicação cirúrgica (ou que não querem se submeter à cirurgia), desde que apresentem IMC igual ou superior a 27 kg/m².

Se você quer saber mais sobre o balão gástrico, agende sua avaliação no Instituto de Medicina Sallet!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *