Isolamento Social e Fome Emocional no paciente bariátrico

O ato de comer pode ser despertado por vários fatores, dentre eles os físicos, que são os mais fáceis de identificar. Refiro-me desde o ronco do estômago até mesmo a sensação de fraqueza quando ficamos muito tempo sem comer. Lembre-se que, você paciente bariátrico, precisa se alimentar adequadamente nos horários programados para não desenvolver hipoglicemia ou sensação de mal-estar. Por acaso você já se perguntou se o alimento te acalma ou te conforta? Se a resposta for sim chamamos isso de “Fome Emocional”.

A Fome Emocional é caracterizada pela ausência de sintomas físicos de fome e é desencadeada por algum tipo de emoção (raiva, tristeza, angústia, entre outras).

Episódios de comer emocional estão relacionados à necessidade urgente em comer de forma mais “voraz”, acompanhados de sensação de culpa ou arrependimento. Nestes episódios de comer emocional, a comida pode ter não somente a função de nutrir, mas também de alterar nossos pensamentos ou sentimentos. Comer pode nos levar a ter uma falsa sensação de bem-estar momentâneo.

Em decorrência da redução do estômago imposta pela cirurgia bariátrica os pacientes operados não conseguem comer grandes quantidades de alimentos. Por este motivo podem desenvolver uma tendência ao perfil alimentar beliscador, que frequentemente vem acompanhado pelo pensamento de “não deveria ter comido”, caracterizado por sensação de culpa e arrependimento.

Nesse momento de quarentena pelo #coronavírus, em que estamos a maior parte do tempo em casa, os gatilhos para alguns episódios de comer compulsivo podem ficar mais presentes. E, portanto, a atenção e consciência ao comer devem estar aumentados.

Para passar por esse momento mundialmente instável e complicado podemos adotar algumas estratégias de suporte:

1 – Organize seus horários e rotinas principalmente relacionadas à sua alimentação;
2 – Escolha seus alimentos; monte seu cardápio diário; cozinhe comida caseira;
3 –  Sente-se à mesa para comer, deguste seus alimentos; evite distrações enquanto come;
4 – Faça uma pausa no meio da refeição por pelo menos dois minutos;
5 – Identifique os fatores desencadeantes para o ato de comer; entenda seus gatilhos situacionais, ansiosos ou mesmo ociosos que podem estar relacionados a episódios de comer compulsivo;

DICA: Se perceber algum conteúdo emocional desconfortável antes da alimentação orientamos que: PARE. INSPIRE PROFUNDAMENTE E SOLTE O AR (repita esta respiração por 5 vezes continuamente). Após realizar o exercício de respiração consciente, reinicie a sua alimentação de forma mais atenta. Por fim, aproveite este momento para perceber se sua fome é somente FÍSICA ou EMOCIONAL.

Caso a fome emocional esteja muito presente peça ajuda ao Setor de Psicologia. Alimentar-se sob a influência de fortes aspectos emocionais pode favorecer a recidiva de peso no paciente bariátrico em médio e longo prazo.

Mantenha-se continuamente atento e cuidadoso quanto à sua conexão “mente, corpo, vibração e alimentação”. Com este exercício de consciência e autoconhecimento, passaremos todos por esta fase de isolamento social com mais saúde e equilíbrio físico e mental. E aos mínimos sinais de perda de controle busque por ajuda profissional. Certamente, a equipe de psicologia e toda a equipe transdisciplinar do Instituto de Medicina Sallet poderão lhe oferecer apoio e suporte. Afinal, #juntossomosmais!

Dra. Beatriz Pini, Bianca de Godoy e Dra. Loreta Capassi
Equipe de Psicologia do Instituto de Medicina Sallet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *