Cuidado, adoçantes não são todos iguais

Vamos entender essa questão sobre adoçantes? Adoçantes não são todos iguais e vamos explicar um pouco mais sobre os compostos de cada um deles.

Existem várias marcas diferentes e vários produtos dentro da linha de cada marca que são feitos de substâncias muito diferentes. Temos desde aspartame, ciclamato sódico, sacarina sódica, sucralose, stevia, xilitol, eritritol, taumatina… São inúmeras substâncias que compõem os adoçantes industrializados, algumas delas bastante nocivas à saúde. 

Os adoçantes aspartame, ciclamato sódico e sacarina sódica, não costumam ser indicados, pois existem diversos estudos que indicam malefícios para a saúde de quem os consome. Além de serem instáveis, esses adoçantes costumam ter outros compostos químicos usados para melhorar o sabor. Os adoçantes que mencionam “sódico” no nome possuem sal, elemento contraindicado para pacientes com pressão alta. Pacientes diabéticos substituem o açúcar refinado de alto índice glicêmico por adoçantes (glicose zero), mas  acabam desenvolvendo problemas relacionados à hipertensão, pois  ‘sem perceber’ aumentam muito o consumo de sódio.  

 

4 TIPOS DE ADOÇANTES MAIS RECOMENDADOS POR NUTRICIONISTAS

 

SUCRALOSE – É um derivado da cana de açúcar, porém, feito artificialmente. 3 gotas tem zero calorias e correspondem a 1 colher de chá de açúcar.  

A questão é: você usa e conta as gotas certinhas? Esse é o risco e o cuidado que devemos tomar para não consumir adoçante em excesso. Fazendo o uso de acordo com a indicação da nutricionista, não há problemas. 

 

ESTÉVIA – É 300 vezes mais doce que o açúcar. Um envelope de 0,8 g tem o mesmo poder adoçante de 10 gramas de açúcar. A vantagem está no número de calorias. Um envelope possui aproximadamente 2 calorias, contra mais de 40 calorias dos 10 gramas de açúcar. A estévia é uma planta nativa do Brasil e Paraguai, cujas folhas têm um princípio adoçante natural muito potente. As pessoas que consomem estévia geralmente preferem consumir com bebidas mornas ou geladas que ficam mais agradáveis ao paladar. Quem gosta de tomar um café quente talvez sinta diferença no sabor. 

 

XILITOL – É um adoçante de origem vegetal, derivado do milho.  Em um pacote de xilitol de 5 gramas temos 12 calorias contra 20 calorias do açúcar convencional numa embalagem de mesmo peso. Algumas pessoas mencionam sofrer com desconfortos abdominais ao consumir o xilitol, mas isso se aplica apenas para quem tem sensibilidade ou algo específico com uso de adoçantes. 

Existem adoçantes em gotas ou em pó, e cada um deles possui suas especificidades. No caso do xilitol é mais recomendado o uso em pó, pois é mais estável neste formato. Na versão em gotas para ele ficar estável, geralmente se faz uma mistura entre dois tipos de adoçantes, o xilitol – que é 100% natural – junto com a sucralose, – obtida por processos químicos – para conseguir um sabor mais palatável. Se for usar o xilitol ou o eritritol, prefira a versão em pó.

 

ERITRITOL – É o mais novo dos adoçantes, substância também extraída do milho não transgênico num processo de fermentação natural. Um envelope de 5g confere zero calorias e adoça o mesmo que 3,5 gramas de açúcar. Algumas pessoas informam que o eritritol tem pouco poder adoçante, por isso, é comum ser necessário usar de 2 a 3 sachês por dose, volume pouco indicado.

Assim como o xilitol, ele é mais estável na versão em pó. É importante verificar a embalagem de todos os produtos para saber se tem apenas um elemento na sua composição ou é misturado com demais substâncias.

 

Caso sua dieta recomende a substituição do açúcar refinado por adoçantes, lembre-se de nossas dicas!

 

Conteúdo escrito com base na live: Cuidado! Adoçantes não são todos iguais! Da Dra. Ana Beatriz Guiesser, nutricionista do Instituto de Medicina Sallet.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *